Empresa familiar? Especialista ensina como tornar a gestão profissional

 In Notícias Selecionadas

3248515Treinamento, separar as questões pessoais das profissionais e pensar em longo prazo são algumas das dicas do especialista em gestão de empresas para profissionalizar as que são administradas por famílias

Produtividade é palavra de ordem dentro de uma empresa e para que isso aconteça é necessário que a administração da mesma seja focada em resultados. Quando falamos de grandes empresas, com gestão profissional essa meta parece e simples, mas e as empresas comandadas por famílias.

A estimativa é que existam 6 milhões de empresas no País, das quais 90% são consideradas negócios ou empresas familiares. O maior problema nessas corporações está em separar o lado pessoal com o profissional e na opinião de Fábio Yamamoto, sócio da consultoria e gestão corporativa Tiex, implementar a cultura empresarial na administração dessas operações pode ser bem traumático. “Nós observamos que as empresas familiares de pequeno e médio porte são as que mais sofrem, por diversos fatores. O principal deles é a falta de cultura empresarial, pois frequentemente não se dão conta da importância de possuir ferramentas de planejamento e controle e de investir na qualidade e capacitação da equipe de suporte.”

Para ajudar as empresas de administração familiar a mudar a forma de gestão, o especialista listou cinco atitudes que podem fazer mudanças significativas.

1. Profissionalização Já!

Para aquelas empresas que buscam atingir estágios avançados de maturidade de seus negócios, necessariamente precisam buscar a profissionalização de sua administração. Isso não significa que você tenha que buscar profissionais fora dos quadros da companhia para preencher posições estratégicas, tampouco retirar os familiares da empresa. O ideal é que os gestores sejam treinados e que se crie ferramenta de gestão que ajude nos controles internos, processos e nas polícas da empresa.

2. Limites entre profissional x pessoal

Outro fator bastante comum a este tipo de negócio é a confusão entre os limites da pessoa física e jurídica. É preciso ter clara distinção entre a entidade e o(s) dono(s) para que não ocorram abusos e atritos entre os familiares. Rupturas familiares são bastante comuns quando os negócios passam a tomar proporções em que é impossível manter os olhos sobre tudo, gerando desconfiança, destruindo relações familiares e pondo em risco o futuro do negócio.

3. Visão de longo prazo

Poucos são os negócios familiares, exceto grandes grupos empresariais, que dão a devida atenção a um planejamento estratégico de alto nível. É vital para as empresas pensar em perenidade, não ser imediatista e entender os impactos que as ações presentes terão sobre o futuro.

4. Atenção à estrutura de suporte

As áreas administrativas de uma empresa são vistas como centros de custo, isto é, um mal necessário, e pouca ou nenhuma importância são atribuídas às áreas de suporte. Contudo é de extrema relevância a manutenção de uma estrutura adequada de back office; não só é imprescindível para a adequada manutenção dos aspectos administrativos e operacionais, como pode tornar-se um centro de resultados à medida que pode e deve ser utilizado para evitar gastos desnecessários, conter perdas financeiras e realizar o adequado planejamento do uso dos recursos.

5. Capacitação de seus colaboradores

Investir na capacitação de seu quadro de colaboradores é imprescindível para que toda a estrutura de controles e ferramentas de gestão funcione de forma adequada na administração da empresa.

 

Fonte: IG – Economia

Start typing and press Enter to search